Exposição Poesia & Caligrafia reúne artista que inspiram nosso dia a dia

São Paulo é sinônimo de caos, metrópole e correria. Assim, como outras capitais e cidades grandes, onde algumas pessoas estão no automático e acabam esquecendo ou não tendo tempo para sentir e curtir as coisas simples da vida e do dia a dia. Porém o meio urbano também pode ser sinônimo de inspiração, criação e poesia. No fim de outubro foi inaugurada a exposição Poesia & Caligrafia que traduz exatamente esse olhar sensível diante do meio urbano.

O grupo seleto de cinco artistas, inspiradores urbanos mostra ao público suas obras, arte e poesia que levam inspiração para o nosso dia a dia. Com a rotina acabamos deixando um olhar sensível de lado, e eles resgatam exatamente isso e inserem no nosso cotidiano de uma maneira uma simples e de uma forma que já faz parte da nossa rotina: através do Instagram.

Próximo ao centro de São Paulo, na principal rua que reúne arte, moda e arquitetura os artistas apresentam suas mensagens. A Urban Arts, na Oscar Freire é o palco ideal para reunir esse time que fala de amor, saudade, gentileza, tempo, otimismo, oportunidades e tudo mais que nos move da forma mais singela e intensa.

Pedro Antônio, criador da página @eumechamoantonio considera que tudo que faz parte do meio urbano é inspirador, o cotidiano, a rua, a vida real, os muros grafitados, as pessoas que passeiam, o nome dos edifícios… “Criar mais é do que colocar nosso olhar (nossas vivências) para dar um outro olhar em uma visão que já existe (nossas referências) ”, completa.

Para quebrar a timidez e romper seus próprios silêncios, ele deu voz ao Antônio através de frases rabiscadas em guardanapos, ele acredita que muitas pessoas passaram a se identificar com a sua poesia porque ela traz em cada verso e em cada desenho, incontáveis caminhos interpretativos. “E, cá entre nós, todo mundo tem um silêncio para romper ou uma timidez para quebrar (risos), diz.

Para Pedro, do @umcartao a inspiração mora dentro da gente, mora ao nosso redor, mora na música que a gente ouviu no carro, mora no filme que tá em cartaz no cinema. A inspiração vive latente esperando que a gente a encontre, a procure, a vasculhe. De repente só falta um estalo, uma fagulha, um clique ou um cartão. “Eu não inspiro as pessoas. Elas se inspiram. Eu sou só um coração na ponta da caneta”, revela.

O Um cartão nasceu por causa da necessidade do autor em abreviar sentimentos. Foi então que teve a ideia de transferir a interpretação, que antes era só dele para as pessoas. Aprendeu com os cartões que a gente pode sim sair de si para marcar o outro. Aprendeu que um cartão pode mudar tudo. Literalmente. Ele acredita que os meios explicam tudo e sem eles não seríamos capazes de abrir os olhos do coração para tudo o que nos cerca e nos emociona de alguma forma. É uma questão de percepção, de querer, de vontade em encontrar as coisas bonitas ao longo. O meio pode ser urbano ou não, mas o amor é e sempre vai ser o nosso fim.

O calígrafo Fábio Maca, @fabiomaca acredita que uma frase é um portal: “Vamos para aquele lugar, para aquela história. A frase nos faz lembrar da nossa própria história, lembramos de alguém que é ou foi especial, nosso coração se acalma ou acelera. Despertamos para algo que não sabíamos. Ou não, apenas nos distraímos por um instante – e isso basta”, completa.

Para ele a vida é a inspiração: “Nossos encontros, desencontros. O acaso que nos dá uma chance, a sorte que nos abandona. O carro que espirra água no pedestre, o elevador que pifa. Onde há vida correndo, há algo para dizer”.

O Lucas Cândido, do @blogdolucao acredita que tudo serve como inspiração quando a gente consegue observar o que acontece ao nosso redor: “Acredito que a inspiração é fonte de uma observação constante das pessoas com o seu meio. Nesse sentido, o meio urbano é um meio riquíssimo. Imagina o tanto de pessoas e o tanto de histórias que passam por nós o tempo todo. E não só pessoas, mas as paisagens urbanas também são fonte de inspiração, suas formas e os detalhes pode ser uma nova história a ser recontada.

Sua página nasceu para tentar diminuir a timidez e a escrita acabou se tornando uma paixão, um vício. Hoje escreve sobre os mais diversos temas, mas amor e saudade são seus temas preferidos. Para ele o seu trabalho inspira o dia a dia das pessoas, fazendo-as refletirem mais sobre a vida, aliás não só sobre a própria vida, mas sobre o tanto de vida que existe ao nosso redor. “A poesia é essa pausa que traz alívio e a vida de volta pra gente.

Escuto muitos leitores contando o quanto a poesia fez bem para eles em certos momentos da vida. Imagina… a poesia, de repente, muda o curso de uma vida… É dessa forma que eu acredito que o meu trabalho inspira o dia a dia das pessoas. Mas não chamaria isso de “o meu trabalho”, mas sim de “a poesia”, que é toda nossa”, conta.

O meio urbano se torna tão presente na criação desses artistas, que foi assim que nasceu o Letras Garrafais, de Alessandro Novello. Pois o projeto só nasceu por causa desse meio, é por essência uma gentileza urbana.

“Ele só acontece quando eu vou pra rua e distribuo as garrafas para quem achar levar embora, se quiser claro. Por outro lado, é o meio urbano que me abastece de informação e sentimentos que também são refletidos nas minhas frases. A série criada para a coleção da Urban Arts é uma prova disso. O poema “Verdades Caladas” fala de uma cidade em que as pessoas não enxergam o que estão vendo, não dão atenção ao que as contorna, muitas vezes não se preocupam com as pessoas que cruzam seus caminhos. E essa miopia me inspira e desafia a fazer ainda mais as minhas intervenções”, completa Alessandro.

As Boas Surpresas da vida

O trabalho dos cinco artistas traz de uma forma simples e marcante Boas Surpresas para nossas vidas. Pode ser ao ler uma linda frase no Instagram, dedicar o poema de algum deles para uma pessoa especial, receber de alguém especial ou ver na timeline de um desconhecido.

O escritor Lucas Cândio acredita que a correria nos rouba as coisas pequenas e belas que acontecem nesse dia a dia, mas mesmo assim, as boas surpresas acontecem. “Essa aparente robotização das pessoas nas metrópoles na verdade é o ambiente ideal para as surpresas acontecerem. Quando estamos presos demais a uma rotina, uma surpresa como a poesia pode nos tirar desse universo duro e nos levar a um universo mais lúdico, fantasioso… a poesia é esse alívio todo. A poesia é essa vida toda também”.

Assim como ele, Pedro, o autor do Eu Me Chamo Antônio também considera a poesia é essa pausa que todo mundo precisa. “Eu acredito que as pessoas estão cada vez mais em busca de um alívio, de algo que as faça esquecer o caos do dia a dia. Uma mensagem bonita, uma foto agradável ou um quadro delicado sempre terão espaço na nossa correria.”

Para levar boas surpresas para o dia das pessoas mesmo com a correria rotineira, Alessandro crê que não nem preciso ter um projeto especial para isso. “Já notou como um estranho se surpreende quando você, que nem o conhece, o saúda com um bom dia? ” Ele conta que com o Letras Garrafais isso acontece com frequência. “As pessoas que encontram as garrafas ficam bem felizes, chegam a duvidar que aquilo é para elas, muitas delas fazem questão de agradecer. Tem gente que diz “mudou o meu dia!”. Não tenho toda esta pretensão, mas quando isso acontece, eu percebo que aquilo que eu faço de forma tão simples e despretensiosa acaba sendo muito importante para outras pessoas. E que, mesmo sem saber a quem, eu estou levando um pontinho de felicidade para alguém. ”

“As boas surpresas estão e sempre vão estar ao nosso alcance, basta a gente querer”, diz o Pedro, do Um Cartão. “Não existe impossível pra quem escolheu procurar e encontrar o lado bom de tudo. É fácil, não dói, não precisamos pagar, é só canalizar a nossa vontade pra gentileza, pra educação, pra gratidão que tudo chega. Simples assim.”

Exposição

Poesia & Caligrafia acontece até o dia 9 de novembro na Urban Arts. A mostra reúne cerca de dez peças de cada artista. Entre cartões, tinta acrílica, pincel sobre papel, guardanapos e garrafas, será possível conhecer um pouco mais de cada artista. Cada um com uma proposta única, mas todos admiradores da caligrafia e da poesia.

 Serviço:

Poesia & Caligrafia

Urban Arts – Oscar Freire, 156, Jardins, São Paulo – (11) 3081-6142

Até 9 de novembro de 2015 (segunda a sábado das 10h às 19h e domingo  das 12h às 18h)

www.urbanarts.com.br

Deixe uma resposta